Arquivo da categoria: Devaneios

Lições de Amor em 10 Clichês – 10ª Lição: Águas Passadas Não Movem Moinhos

*Este texto é parte da série “Lições de Amor em 10 Clichês” Clique aqui para conhecer

Captura de Tela 2014-04-08 às 13.45.48

Das poucas certezas que tive na infâncias, todas diziam respeito ao futuro. Eu acreditava que quando adulta, todas minhas dúvidas estariam sanadas pois para mim, os adultos não tinham aflições, sabiam todas as coisas.

A pouco tempo desisti de esperar por este dia e aceitei que  nunca serei aquela adulta que imaginei quando criança.  Aos 18, nada aconteceu. aos 20, também não. Aos 28 em vez de constatar que estou cada vez mais rica, feliz e sábia,  me sinto frequentemente como aquela menina de 8 anos, feliz porque ganhou um lápis de cor novo, e triste porque não sabe a melhor maneira de usá-lo.

Somos criados para vencer mas esquecemos de nos preparar para as derrotas. Quando percebemos, somos pegos na queda da montanha russa fechando os olhos para não ver a merda. Estamos diante de impasses com maior freqüência do que gostaríamos.

*****

E ao final destes impasses, nos encontramos em momentos que ficamos de mão atadas, só nos resta sentar e chorar. E não é proibido, faça-o. Esgote até a ultima lágrima para que nenhuma dor seja introjetada. Deixe a dor sair.

É aqui que começa a  última lição. Podemos chorar e gritar mas para sobrevivermos a esta montanha russa, precisamos saber recomeçar. Quando somos preparados só para vencer, não desenvolvemos resiliência, capacidade de superar problemas.

lost

Um fim de relacionamento é como voltar de um sonho bom – ou ruim – ou como apagar um personagem de uma história que durou anos, ou ainda, como voltar de um universo paralelo onde uma parte de você não existe mais, diariamente. Os amigos, a família, o convívio, os lugares, está tudo pela metade. Tudo foi mutilado.  Mas quando temos resiliência, podemos ver a vida a partir deste momento, como uma casa nova recém-mobiliada. É tudo diferente, mas é novo e bonito. É a oportunidade mais oportuna possível: a de fazer melhor.

A primeira oportunidade está em mudar alguns valores sociais que acumulamos e que nos torna escravos do olhar alheio, o primeiro deles, acreditar que somente com um relacionamento a vida tem sucesso, como se a vida a só fosse um castigo, uma incompetência. Quando trabalhamos nossa autoestima, nossas qualidades, quando nossa vida é repleta de coisas que amamos, não precisamos de alguém para nos completar. Mas se “alguém” chegar, será convidado a somar e compartilhar.

large

A segunda oportunidade é a de rever racionalmente nossos comportamentos destrutivos. Se você quer um novo relacionamento, é preciso se educar para não cometer os mesmos erros, os quais costumam estar pautados basicamente em orgulho e egoísmo. Pense em tudo que você e o outro fizeram de prejudicial para a convivência e o amor, qualquer que for a resposta, se emcaixará em um destes defeitos.

Assim, quando uma próxima pessoa chegar você já sabe o que fazer. Ela pode querer estar ao seu lado ou não. Você o mesmo. Você pode acreditar que estar sozinho pode ser melhor. Nem que seja por um tempo. Mas a certeza de que, se permanecer a dois haverá espaço infinito para voar e ninguém terá suas asas tolhidas, você sempre pode oferecer.

casal

Fundamental é voltar à vida pulsaste, com os valores e comportamentos renovados por que quem sabe, este novo relacionamento pode ser até com a pessoa antiga?!  Quando nos esforçamos para deixar as falhas no passado, nos redescobrimos como pessoas melhores e nos abrimos para enxergar o melhor em nós, no mundo e no outro. Ou, resumindo em Guimarães Rosa, viver é um rasgar-se e remedar-se.

 

Por Patrícia Bedin. 

 

 

Anúncios

Escrever todos os dias – dia 19

Esta é uma história verídica.

Senhora vem subindo pela calçada ao lado de um rapaz com um notebook na mão.

_Essas coisas de tecnologias que vocês japoneses fazem pra gente são muito boas, mas é difícil de mexer…
_É sim, mas vou dar um jeito para a senhora.
_Obrigada. Você é tão inteligente, não pensou em estudar um curso mais difícil?
_Eu sou formado em direito, mas….

E eles passaram.

Escrever todos os dias – dia 8

Quando me forço a escrever sinto que minha cabeça vai explodir, e tenho vontade de fugir. Mas fugir para onde se para qualquer lugar que eu vou, levo minha cabeça junto?

 

Escrever todos os dias – dia 5

Eu pulei alguns dias
mas vamos deixar claro
Ou eu escrevi algum post
Ou escrevi no diário

Teacher affixing gold star to math worksheet

Escrever todos os dias parece uma tarefa fácio
mas tem que gostar de fazer
e esquecer o ócio.

Estou fazendo este poema
porque me falta ideia
parece coisa de veia
mas é um grande problema

Ainda bem que não vivo disso
se eu quisesse escrever poemas
teria que ganhar dinheiro
trabalhando em outro oficio.

Eu gosto de plagiar poemas
como de Paulo Leminski
Mas hoje estou tão cansada
Porque vi quadros até de Kandinski

Não sei se essa história de “Arte”
me veio em boa hora
me agrada estudar a história
mas lidar com adolescente é foca.
Não seu corretor idiota, É FODA, É FODA.

Acho que vou proceder assim
sempre que estiver a toa
escrever qualquer bobeira
parece uma coisa boa.

PS: Tudo licença poética. 

Escrever todos os dias – dia 2

DSC02768

Às vezes passamos a vida sem conhecer uma pessoa. Aquela pessoa está tão próxima que não conseguimos ver seus defeitos e qualidades para um dia nos surpreendermos.

Graças ao facebook isso mudou. Agora é possível conhecer as mais belas bobagens que nossos amigos pensam e fazem sobre o mundo proporcionando as mais incríveis decepções ou boas surpresas!

Escrever todos os dias – dia 1

1231421_10152024408130906_4656655173636807182_n

Hoje estou começando a tarefa de escrever todos os dias e fazer um “X” no calendário.
Queria muito começar a escrever com freqüência sem ter que esperar pelo dia em que eu esteja sofrendo, irritada ou dopada de café.

Eu deveria estar escrevendo isso no meu diário mas por aqui é mais fácil porque estou assistindo “doce de mãe” que aliás, é muito muito fofo, recomendo sempre – e digitando, consigo escrever sem ter que olhar para a tela. O importante é escrever. Meta cumprida.

 

Mais um Feliz Ano do Livro

livro

Se este blog fosse uma criança, ele já estaria saindo das fraldas. Ao pensar que a dois anos atrás ele era apenas uma ideia vaga e agora ele já está se tornando um rapazinho, me sinto uma mãe orgulhosa observando este progresso, porque como dizem, um filho muda a vida da pessoa.

Quando iniciei o projeto de ler um livro por mês, percebi com rapidez quantas coisas novas eu poderia conhecer profundamente,  quantas assuntos conseguia refletir, por quantos novos pontos de vista eu poderia observar fazendo apenas isto: lendo – entrando na mente de personagens loucos ou “ouvindo” autores com ideias novas.  Percebi que havia tanta coisa legal a ser compartilhada que eu não poderia simplesmente ler, eu precisava anotar, retomar e compartilhar todas as ideias que me surgiam enquanto eu lia.

Eu me apeguei a ideia de me apegar às ideias. E assim fiz: criei aqui um memorial para cada livro, cada insight, cada impressão que sentia.

Acredito que obtive sucesso na minha intenção inicial e portanto, 12 Meses de Leitura é sim, um filho que mudou minha vida.

Desde o ano passado, não li muitos livros. Foram nove no total. Não bati minha meta e confesso que por várias vezes pensei em ler uns livros de poesia ou de história da moda, desses que contém bastante imagem para tentar ludibriar meus milhares de leitores, mas desisti porque no fim das contas eu saberia que estaria enganando apenas a mim.

As Pessoas estão cheias de opinião

Durante o último ano, me rendi a frequentar intensamente o Facebook, principalmente para ler artigos das páginas de noticia que sigo. Sobretudo por influência das manifestações de junho de 2013, venho me tornando cada vez mais uma pessoa indignada com as injustiças do mundo, e a cada nova indignação nascem outras novos questionamentos e é assim que meus pensamentos crescem em progressões geométricas que me levam a ter dores de cabeça intensas com muita frequência.

Mas enquanto eu leio assuntos do meu interesse, percebo que outros leem assuntos dos seus ou ainda o que é mais comum, compartilham frases feitas de pessoas que não sabem quem são ou o que significam ou ainda, se são verdadeiras. Porque aparentemente, o mais importante hoje em dia, é ter uma opinião formada sobre tudo.

Esta é uma situação boa e ruim: somos obrigados a conhecer a opinião de muita gente e admitir que a massa é indissolúvel. Um grão diferente na massa é um corpo estranho.

Enquanto eu contava e recontava os livros que li neste último ano para ver se passava de nove para 12ou 15 – sem sucesso – cheguei a conclusão: é preciso ler mais livros para continuar sendo uma boa metamorfose ambulante.

Preservem a Indignação

Tenho muitas boas desculpas para ter lido 9 livros em 12 meses uma delas é que li muitos trechos de muitos livros enquanto estudava e me preparava para lecionare por isso, Li muitos livros técnicos desses que não se lê tudo de uma vez. Mas sou virginiana demais para acreditar nessa bobagem.

335372_knigi_devushka_ruki_ucheba_1920x1200_(www.GdeFon.ru)

Apesar de viver feliz só de estar numa casa cada vez mais cheia de livros, onde sinto que a qualquer hora eles dirão “meus senhores, for favor, se retirem que este quarto é nosso, não há mais espaço para vocês aqui” minha única resolução para este novo ano de leitura que se inicia, é que preciso ler mais livros inteiros, escrever mais sobre eles e preservar a indignação com as coisas que a leitura me trás, e prometer para mim mesma que no ano que vem, posso voltar até aqui e escrever para o terceiro aniversário, um texto muito melhor que este.

Patrícia Bedin