Poesia Para a Vida

Já comentei em outra ocasião como foi confuso meu estudo de poesia na escola. Passei anos aprendendo e no final sobraram alguns versos perdidos. Mas claro que alguma coisa sempre se destaca, e Mário Quintana foi um grande destaque para mim. De tudo que li, escrito por ele, este é meu poema preferido.

Indivisíveis

O meu primeiro amor

e eu sentávamos numa pedra

que havia num terreno baldio entre as nossas casas.

Falávamos de coisas bobas, isto é,

que a gente grande achava bobas.

Como qualquer troca de confidências

entre crianças de cinco anos. Crianças…

Parecia que entre um e outro

nem havia ainda separação de sexos,

a não ser o azul imenso dos olhos dela,

olhos que eu não encontrava em ninguém mais,

nem no cachorro e no gato da casa,

que apenas tinham a mesma fidelidade sem compromisso

e a mesma animal – ou celestial – inocência.

Porque o azul dos olhos dela tornava mais azul o céu.

Não importava as coisas bobas que disséssemos.

Éramos um desejo de estar perto, tão perto,

que não havia ali apenas duas encantadoras criaturas,

mas um único amor sentado sobre uma tosca pedra,

enquanto a gente grande passava, caçoava, ria-se,

não sabia que eles levariam procurando

uma coisa assim por toda a sua vida…

Mario Quintana
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s