O Evangelho Segundo Jesus Cristo

JOSÉ SARAMAGO, Companhia das Letras, 1991.

Faz algum tempo que estou adiando este momento. Terminei de ler O Evangelho Segundo Jesus Cristo a mais de dois meses, desde então tenho refletido sobre o texto para tentar entendê-lo, o que acredito ser a causa do meu conflito. Minha conclusão foi elucidada em um fórum de leitores e é bem simples: não é uma história para ser entendida. Sem razões, sem moral da história, sem lições para toda a vida. Muitas coisas acontecem sem explicação e assim continuam porque é a vontade de Deus e quem estiver no seu caminho, não deve contestá-lo, apenas aceitar.

 

José e Maria eram um casal normal e tinham uma vida normal. Quando Maria engravidou de seu primeiro filho, um anjo bateu a sua porta em forma de mendigo, e anunciou a vinda do primogênito. Este anjo que esteve por perto em muitos momentos da vida de Jesus, não se sabia se, era do bem ou do mal. Você pode até pensar que era Jesus se disfarçando de mendigo pra testar a bondade dos homens. Mas não era. Essa dúvida atormentou Maria por nove meses até ouvir da boca do mesmo, diante na manjedoura do recém-nascido, tais palavras:

Com estas minhas mãos amassei este pão que te trago, com o fogo que só dentro da terra há o cozi

Como na história que vem sendo recontada por dois mil anos, José, ao descobrir que os romanos matariam todas as crianças de Belém, menores de três anos, fugiu com o filho. Na versão de Saramago, José salvou Jesus mas passou a carregar consigo a culpa de não ter salvo a vida dos outros meninos da cidade. Sem conseguir se perdoar, sonhou todas as noites com o acontecimento até o dia de sua morte. Jesus herdou os sonhos do pai e, perdendo sua paz, partiu em busca de explicações. Deixou a mãe com oito irmãos menores e levou as sandálias do genitor, num gesto simbólico, talvez, de que as histórias se repetem. Mas se Jesus está fadado a seguir os passos do pai, resta saber se Deus ou José.

Jesus humano

Nesta obra, Jesus é mais um adolescente confuso como tantos outros, como tem sido desde que o mundo é mundo. Tem mágoas com a família, dúvidas, medos, curiosidades. Somente uma pequena característica o diferencia dos outros de sua idade: ser o filho de Deus.

De todas as experiências em sua caminhada a mais bonita e mais polêmica, é a do amor. Ele conhece Maria de Magdala e encontra nela um porto seguro, um amor verdadeiro. Ela que é uma mulher já experiente, ensina a ele tudo sobre amor e sexo – não como faz a Fernanda Lima, porque naquela época nem as putas era tão saidinhas, mas mas de um jeito muito doce e carinhoso. Ela deixa a vida de prostituição para estar ao lado de Jesus no resto de sua caminhada. 

Para Deus não há frente nem costas

O diabo não faz sacrifício, jejum, não vai ao templo e ainda, suas ideias simples e práticas deixam Jesus horrorizado, como a de usar uma cabra para aliviar suas necessidades. Enquanto o menino acredita ser pecado, como está escrito no livro sagrado, o anjo do mal sabe que quantas e quantas vezes, para exibir e gabar-se de um corpo limpo, a alma a si mesma se carregou de tristeza, inveja e imundície. O anjo apenas segue com seu rebanho. O anjo não faz acontecer nada, apenas deixa que aconteça.

Deus ao contrário, deseja que todos sigam seus preceitos, adora receber sacrifícios, a ponto de exigi-los e de punir os que não cumprirem suas regras. Fez Jesus nascer seu filho para usá-lo como ferramenta na empreitada de ampliar as fronteiras do seu poder, prometendo ao garoto muitas explicações que nunca chegam. Dá poderes ao filho para que use em seu nome, mas há sempre, algo que o menino não compreende.

A figura de Deus é a personificação do deus descrito no Antigo Testamento: aquele que deve ser temido, que castiga, que condena ao fogo eterno e que é capaz de exterminar cidades inteiras em nome do seu poder.

Todos que, como eu, vivenciam uma cultura predominantemente cristã, sabem que Deus pode ser vingativo, mas quando pensamos nele, vemos alguém quase tão querido como o todo poderoso Morgan Freeman. No livro ao contrário, o escritor deixa bem clara sua visão do deus que Nietzsche já afirmara, foi criado a imagem e semelhança do homem.

Morgan Freeman intrepreta Deus no filme “Todo Poderoso”

Para mim, Saramago quis dizer simplesmente, que para este deus que o ser humano criou, não existe bem ou mal, existe segui-lo ou não segui-lo: Siga a deus e obedecerás suas regras, não o siga e serás livre.

Impressões

Nascida e criada no catolicismo, tive mais dificuldades do que imaginei, em assimilar que é a história de José Saramago, é uma ficção. A todo momento em que o “óbvio” conhecido através da Bíblia era dissimulado, eu me confundia. Mas esta sensação não demorou muito a passar.

Todo o texto é bem fundamentado nos costumes do povo hebreu da época, em fatos históricos e bíblicos. Algumas coisas o escritor faz questão de ressaltar, como o tratamento dado às mulheres: o homem deve falar somente o essencial com sua esposa pois as mulheres são ardilosas e devem calar-se para não levar seus maridos a cometerem erros como Eva fez com Adão. Ou seja, mulheres são filhas de Eva e pagarão para sempre pelo pecado original.

É sabido que este livro causou grande polêmica perante a Igreja Católica, sobretudo em Portugal, como já comentei em outros textos*. Conhecer a real intenção do autor é difícil, porém é muito fácil entender os conceitos expostos por ele neste romance, e relacioná-los com a igreja cristã.

Quanto aos costumes judaicos não ouso comentar, mas sempre me pergunto: por que o antigo testamento ainda faz parte da Bíblia? Jesus veio pregar que só o amor salva, seu único mandamento era simples, mas infelizmente, muitas igrejas que se dizem baseadas nesta doutrina, ainda se apegam no medo do castigo eterno para não perder seus fiéis. Não adianta mostrar um senhor bonzinho na hora de vender, e um carrasco na hora de julgar. Sejamos coerentes.

Maria de Magdala, ironicamente, é responsável pelos trechos mais agradáveis desta leitura. Sem ela certamente, Jesus não teria suportado realizar todos os desejos de seu pai.

Ao terminar o livro, senti um grande vazio e senti que nada do que eu esperava aconteceu, fiquei sem entender, quis que alguém me explicasse, esperava respostas. A verdade é que somos todos como este Jesus, humanos e imperfeitos, vagando pelo mundo, em busca de um sentido, mas sem saber muito bem o porquê.

* Saramago – Biografia;

José Saramago – homens que você deveria conhecer

Por Patrícia Bedin

Anúncios

5 ideias sobre “O Evangelho Segundo Jesus Cristo

  1. Paulo R. Ribeiro

    >”Não adianta mostrar um senhor bonzinho na hora de vender, e um carrasco na hora de julgar. ”

    E o carrasco apenas ainda vende melhor do que o bonzinho 😉

    Eu sempre tive vontade de conhecer mais Saramago, mas confesso que tenho preguiça. Eu leio muito mais não ficção; comecei recentemente com as ficções, mas geralmente científicas. Essas ficções-desafio ainda me causam procrastinação. Agora já considero o livro como lido.

    ps: Acho que se existir um deus, nem ele vai ser tão deus quanto Morgan Freeman.

    Resposta
  2. Gilson Brenan

    Sou um tanto preguiçoso em relação a leitura (rs), mas adorei o texto e me interessei pela obra. Existe um livro, Patty, do Philip Yancey, bem interessante, se chama “O Jesus Que Eu Nunca Conheci”. Ele analisa a luz da biblia o Jesus homem, desfazendo aquela imagem alienada e imaculada que acabamos criando Dele. Eu particularmente me apaixonei por Jesus com a leitura deste livro. Ele aproxima Jesus de Deus e dos homens. Acredito que ele possa complementar sua leitura da obra de Saramago. Beijão.

    Resposta
  3. Pingback: A viagem do Elefante | 12 meses de leitura

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s